Just in Time

Archive for fevereiro 2011

O que eu mais queria neste mundo era sossegar. Eis um verbo que é preciso redimir. Sossegar não é descansar, nem traz felicidade, nem se assemelha, senão superficialmente, à paz ou à tranquilidade. Não quero acalmar-me, ou serenar, ou assentar. O sossego é um estado de bonança. Pode sossegar-se em momentos de grande agitação, de um acesso de amor, em que esse amor parece lucidez. É este o sossego com que sonho — uma presença consciente de verdade no que se sente.

 

Quando dois que se amam decidem ter um filho, por muito medo que isso possa provocar, sossega-se. Quando aparece um amigo sem avisar, interrompendo tudo o que se tencionava fazer, sossega-se. Quando se lê um poema ou uma história bonita, por muito triste que seja, sossega-se. Quando se acredita em Deus. Isso, sim, é sossegar.

 

Gosto de sossegar como verbo transitivo. Sossegar só por si não chega. É mais bonito sossegar alguém. Quando se pede “Sossega o meu coração”, e se consegue sossegar.

 

Lembro-me, em particular, dum momento, que obviamente não vou contar, mas que consistiu apenas em olhar para alguém e sentir que tudo nela me era querido e conhecido e familiar.

 

Não há no mundo paisagem como o rosto da pessoa amada, sobretudo quando está agitado, rindo ou zangado. Sentir essa mistura de perdição e de proximidade é verdadeiramente sossegar.

 

– Miguel Esteves Cardoso

Anúncios

“Não há ruptura sem dor. A única coisa digna a se fazer é atravessar. Não é hora para palavras, mas como me pedem, vá lá… A contradição também tem sua beleza. Sobretudo não reclame, o nhennhenhem faz a gente andar em círculos em torno daquilo de que se abriu mão. Se não está resolvido, volte, peça perdão, curve-se, e siga ali até ter certeza de que a coisa não serve mais. Feito isso, largue, deixe em paz, vire a cabeça e perceba que o horizonte está cheio de possibilidades. Procure o amor dos amigos e não dos amantes, só ele esquenta nesta hora. Se for um solitário, invente alguma coisa, crie, componha uma música, pinte um quadro, pinte a parede de casa, mude os móveis de lugar, mexa na rotina, vá ao teatro, corra ao ar livre, nade no mar, cozinhe um prato picante, tome um bom vinho, trace metas, siga-as. Se não for um solitário faça o mesmo cercado de gente. Depois volte pra casa vazia e tenha coragem, já está passando.”

– Maitê Proença