Just in Time

Archive for novembro 2010

O susto, beirando a janela de vista embaçada.
O suicídio, em tons de laranja, equilibrando-se no parapeito.
O engano, não era o fim da vida
A sorte, era só uma parte chata dela.

Quando nos despedimos era a hora certa. Você esperou meu choro, meu desespero, minha súplica e minha ligação, esperou por coisas que não vieram. Você estava pronto para me consolar, para dizer que eu tinha que ir em frente e deixá-lo, mas não esperava que eu já conhecesse o caminho, que já tivesse partido bem antes do adeus.

Preciso te contar o quanto estou incrívelmente feliz, o quanto o meu amor próprio superou as madrugadas longas, o quanto que me descobrir fez te esconder na memória, o quanto me permitir me fez mais interessante, o quanto fantástica posso ser e as pessoas que posso ter ao redor, que posso escolher e não ser a escolha. Eu escolho você. Te escolho para ser quem irá ficar me esperando do outro lada da linha, da ponte, da avenida. Te escolho e te coloco do lado oposto da minha opção pela alegria.

Te escolho não por maldade, por vingança ou por caridade, mas porque você me ensinou muitas coisas, e coisas boas, coisas que nem um inimigo me ensinaria. Por causa de você conheci meus limites e os desaprendi, e hoje não me permito a nada que seja menos do que a felicidade ou mais do que a sensatez. Você me ajudou a me tornar uma mulher mais forte e menos tempestuosa. Me ensinou a não ser cruel, quando me magoou. Me ensinou a como não permitir o descaso, quando te contava um sonho. Me ensinou como não enganar, quando optou por outros planos. Me ensinou a descobrir o quanto posso ser amada, quando teu cuidado era de outra face.

Hoje meu corpo tem outras mãos espalhadas, hoje meu caminhar é um convite, hoje meu olhar é uma armadilha, hoje minha lembrança é uma tortura, hoje minha companhia é para poucos, hoje meu cheiro é um abismo, hoje meus dedos são violinos, hoje meu riso é a felicidade, hoje meu plano aceita ser surpreendido. Hoje apenas me permito a certeza do que a incerteza me impõe. . .

 

– Cáh Morandi

eu tinha uma vontade louca de mudar minha vida
e apostar na tua até a última ousadia
queria mesmo que você revirasse minha rotina
e enchesse de purpurina o ceú do meu quarto
que você viesse no impulso para me assaltar
me mostrar o perigo de encontrar alguém
e dentro desse alguém, o amor
se você topasse ganhar o mundo comigo
e fizesse valer o sentido de perder o medo
eu iria mesmo, metia a cara, perdia o juízo
me perderia na alegria de te pertencer
por acaso ou descuido sempre tem um desvio,
um trevo, um beco a nossa espera
é nossa chance de pular do barco
e eu me lanço no vento que me joga
dentro, fundo, perto de onde você passa
quero que você me proponha um plano louco e absurdo,
mas que seja tão puro e sincero para ser irrecusável
que eu vá mesmo dizendo não
aposte, não importa que irá perder, ganhar
a aposta já vale o risco de um amor
não pense no depois, nas coisas que não sabemos
não se preocupe, há um mundo de possibilidades
boas, ruins, amargas, deliciosas acontecendo
por isso nunca me deixe,
nunca troque meu medo pelo medo de outro alguém
antes me mostre que é possível, mesmo que não seja
me iluda, por favor.

– Cáh Morandi