Just in Time

Quebra-Cabeça

Posted on: maio 6, 2009

As pessoas se encaixam. Elas precisam se encaixar. Já faz um tempo que eu penso sobre isso observando os casais no meu trabalho. Sou cobrador de estacionamento num grande shopping. Fico sete horas por dia sentando numa cabine, atrás de um vidro, recebendo papeizinhos para enfiar numa máquina que verifica o tempo que o carro ficou estacionado. Cobro o valor devido, recebo o dinheiro, dou o troco quando necessário, e devolvo o cartão liberado para sair. É basicamente isso. Não, na verdade é só isso mesmo. O máximo de emoção que acontece é quando alguém perde o papel, aí tem que preencher uma ficha, mostrar o documento, pagar o valor de ticket perdido, geralmente a pessoa reclama, mas pra isso tem meu supervisor pra resolver, eu nem me meto. É ele que eu chamo também quando algum bêbado cisma em não pagar.

Mas como eu ia dizendo, as pessoas se encaixam. O fato de não ter muito o que fazer sentado sozinho na cabine fez com que eu tenha começado a prestar bastante atenção nas pessoas que  passam por ali todos os dias, e fui reparando como os iguais se procuram. A menininha baixinha de cabelo rosa com saia curtinha e meia até o joelho está sempre acompanhada de um descabelado de jeans e camiseta destonados, calçando um All-Star. O cara de camisa pólo e calça justa com sapato marrom vem acompanhado da namorada com cabelo liso de chapinha, argolas grandes nas orelhas, bastante maquiagem e uma roupa de grife da moda. O que veste uma coisa que não combina com a outra normalmente está acompanhado de uma moça que coloca uma roupa que não fica bem no corpo dela e ela não percebe.

Lembro de quando eu estava no colégio e discutia com minhas amigas que os opostos se atraem. Tudo besteira. Nunca vi uma roqueira tatuada acompanhando um executivo com cara de que trabalha na bolsa. Ela no máximo vai estar com um roqueiro que goste de uma banda que ela odeia. Mais que isso não dá. Não encaixa, e as pessoas precisam se encaixar.

Eu achava que encaixava com Luzia, minha ex-namorada. Ela trabalha no atendimento ao cliente do shopping. É ela que chama as pessoas pelo microfone central quando alguma criança se perde dos pais, devolve carteiras perdidas, essas coisas. Ela é muito inteligente. Um dia na hora do lanche eu estava caminhando pela praça de alimentação e a vi sentada num banco no canto lendo uma revista dessas de celebridade. A capa era uma atriz que tinha acabado de casar e já tava separando. Sentei numa mesa que dava pra olhar pra ela meio escondido e até esqueci do meu sanduíche. Uma hora ela levantou os olhos na minha direção e sorriu. Fiquei vermelho, desconcertado, achei que estava sendo discreto, e morrendo de vergonha me levantei e fui até ela. Perguntei se podia sentar.

Pode, claro. ela respondeu meio sem graça. Desculpe. eu disse. Pelo que?, ela. Por ter ficado te olhando tanto, eu. Você estava me olhando? Estava. Eu não reparei. Jura?

Ela não estava rindo de mim, era do motivo da separação da tal atriz. O marido não era artista também, eles disseram que não dava pra conciliar as agendas, pá, acabou. É, eles não encaixaram, eu sorri. Ela correspondeu. Ficamos papeando mais vinte minutos até o fim do nosso horário de descanso e marcamos de sair uma outra hora. Foi ótimo. Ela gostava dos mesmos filmes de comédia com o Eddie Murphy que eu, se amarrava nos programas de auditório do Silvio Santos, jogava toda semana na mega-sena. A gente saia pra passear de mãos dadas no parque nas nossas folgas e eu me sentia muito feliz.

Um dia, sem mais nem menos, Luzia me disse que não queria mais. Por que?, eu perguntei. Não sei, preciso viver coisas diferentes, ela me disse. Diferentes como?, eu quis saber. Eu não posso viver isso com você?, insisti.

Ela não me disse mais nada. Apenas abaixou a cabeça e chorou baixinho segurando minha mão. Chorei também. Dali pra frente não nos falamos mais no shopping nem em lugar nenhum. Ela evita passar pela minha cabine, eu não vou mais na praça de alimentação. E eu descobri que ser feliz e entender alguém não basta pra encaixar. É alguma coisa além disso. Luzia e eu não éramos tão perfeitos como eu achava. E desde então eu fico aqui sentado recebendo os papeizinhos, olhando pros outros e tentando entender o porquê de certas colas darem certo. Talvez um dia eu descubra. E acho que eu vou, sim. Saber o que não vai funcionar até parece fácil, mas e o que vai? Deve ter alguém aí fora que encaixe comigo. Todo mundo precisa encaixar com alguém.

– Pedro Necshiling

Anúncios

1 Response to "Quebra-Cabeça"

QUE TEXTO LINDOOOO!!
*-*

“Deve ter alguém aí fora que encaixe comigo. Todo mundo precisa encaixar com alguém.”
Queria encontrar meu encaixe também…será que demora?

.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: